Economia da Felicidade: em que dia és feliz?

Economia da Felicidade: em que dia és feliz?

No passado dia 20 de março celebrou-se o Dia Internacional da Felicidade. Aquele dia em que refletimos naquilo que nos faz feliz. E, mais que isso, fazemos questão de partilhá-lo com todos (nas nossas redes sociais). Calma! Não está mal. Mas porque será preciso existir um dia específico para a felicidade?

A ideia deste Dia Internacional da Felicidade foi lançada pelo Butão, um pequeno reino budista nos Himalaias que, desde 1972, utiliza como estatística oficial a “Felicidade Nacional Bruta”.

Em 2012 a proposta foi apresentada e aprovada pelos 193 países. Em 2013 a data já estava marcada no calendário oficial da Organização das Nações Unidas, para que existisse «uma abordagem mais inclusiva e equilibrada ao crescimento económico que promova o desenvolvimento sustentável e o bem-estar».

A verdade é que… De que serve o crescimento económico se as pessoas não estão felizes? De que serve o crescimento económico se não há igualdade na distribuição da riqueza? De que serve o crescimento económico se prejudicamos outras áreas da nossa vida, como a família, os amigos, o bom ambiente no trabalho, a saúde, a paz ou a sustentabilidade ambiental?

Verdade é também que economia e felicidade podem sim coexistir na mesma fórmula. Qual? A da Economia da Felicidade.

O ponto de partida é precisamente o facto dos índices de desenvolvimento humano, como a riqueza financeira ou o Produto Interno Bruto, não traduzirem verdadeiramente o nível de bem-estar e satisfação das populações. Assim, a Economia da Felicidade é um ramo da economia que vem estudar quantitativamente a felicidade humana.

Como? Através de medidas ao bem-estar, à qualidade de vida, à satisfação com a própria vida e com a sociedade e a diversas outras variáveis relacionadas com a economia, mas também com as restantes ciências sociais e políticas.

Pode parecer ambíguo, mas a Economia da Felicidade tem produzido resultados sólidos e credíveis capazes de demonstrar o que faz realmente as pessoas sentirem-se tranquilas e felizes e o que as deixa insatisfeitas e inseguras, independentemente das suas finanças pessoais.

Um das aplicabilidades da Economia da Felicidade é o Relatório Mundial da Felicidade que desenvolve o seu estudo em seis linhas – Produto Interno Bruto per capita, esperança de vida saudável, liberdade, generosidade, apoio social e ausência de corrupção – e assim analisa o grau de felicidade e o desenvolvimento económico e social de 156 nações.

No 2018 World Happiness Report, Portugal encontrava-se em 77º lugar. Esperemos pelos resultados de 2019, até lá:

Think social, change the rules!

Fontes: Jornal Económico, Knoow, ONU News, UNRic

Rafaela de Melo

 

Sobre Mim

Olá! Chamo-me Rafaela, tenho 22 anos, sou licenciada em Serviço Social e estou a fazer um mestrado em Economia Social.

O que mais gosto é de comunicar e aprender, o que me leva a envolver-me em projetos das mais diversas áreas: por isso estou na Forall Phones!

Sou community shaper desde maio de 2018 e em junho integrei a Blog Team, ficando responsável pela temática Forall Social.

Let’s Get Connected: Linkedin Facebook | Instagram 

Artigo anterior As melhores Apps de Chat para iPhone
Próximo artigo De que tipo és tu?

Deixe o seu comentário

* Campos obrigatórios