Dia da Sobrecarga da Terra

Dia da Sobrecarga da Terra

Durante séculos que a humanidade tem vindo a utilizar os recursos naturais disponíveis como se os mesmos existissem na natureza sem fim. Pois bem, a capacidade da natureza se restaurar também é ela própria limitada e sei que não trago novidade nenhuma, pois é certo e sabido deste consumo exagerado, mas conto-vos que, neste momento, para sustentar a humanidade, eram precisos cerca de 1,7 planetas Terra – isto é, dado a corrente utilização de recursos, estamos a “usar” a natureza 1,7 vezes mais depressa do que a sua capacidade de repôr a nossa utilização e seria preciso que o nosso planeta fosse 70% maior em recursos para nos satisfazer.

O Dia da Sobrecarga da Terra calha, este ano, exatamente hoje, 1 de agosto, a data mais precoce desde que estouramos o nosso budget ambiental pela primeira vez na década de 1970. De acordo com a Global Footprint Network, a ONG que monitora a pegada ecológica das diferentes zonas planetárias, se continuarmos com este excesso global e desperdício acelerado,  os danos acabarão por se tornar irreversíveis.

Estamos, portanto, a detonar os recursos que temos e a ultrapassar largamente biocapacidade na nosso querido Planeta. Bem e o que é isto da Biocapacidade? Segundo a WWF (World Wide Fund for Nature) é a possibilidade dos ecossistemas proverem recursos (rios, plantas, sol) para utilização humana e absorverem os resíduos – gerados direta ou indiretamente pela humanidade. Portanto, se os resíduos que produzimos acabarem por ser altamente elevados, a natureza jamais se conseguirá renovar a tempo de impedir a destruição do nosso planeta.

O Earth Overshoot Day (em português, “Dia da Sobrecarga da Terra”) marca a data em que a procura anual da humanidade por recursos excede o que o planeta Terra é capaz de regenerar nesse mesmo ano. Infelizmente, com o passar dos anos, a data tem vindo a antecipar-se.

Os estragos começam a ser visíveis: frio no verão, verão no inverno. Secas intermináveis, chuvas que mais parecem dilúvios. Escassez de alimentos e de água potável, extinção das espécies, erosão do solo, derretimento dos glaciares e doenças que nos atacam como nunca antes acontecera, tais como o cancro da pele, devido à exposição cada vez maior a raios nocivos à saúde (sim, e isto causado pelo buraco na camada de ozono, já um velho conhecido da sociedade contemporânea).

Mas, nem tudo são más notícias! Esta tendência ainda pode ser revertida. Isto é, se conseguíssemos atrasar o Dia da Sobrecarga da Terra 4,5 dias todos os anos, seria possível retornar ao nível em que utilizamos os recursos de um só planeta até 2050.

“O nosso planeta é finito, mas as possibilidades do ser humano não são. Viver dentro do orçamento de um planeta é tecnicamente possível, financeiramente benéfico e nossa única chance de um futuro próspero”,

Mathis Wackernagel, CEO da Global Footprint Network

Com o objetivo de marcar este dia, a Global Footprint Network vai realizar várias atividades em todo o mundo e, para promover a necessidade de mudança, a organização oferece soluções, métricas, compromissos e uma nova Calculadora de Pegada Ecológica como parte dos esforços para a iniciativa #movethedate. Assim, com o intuito de consciencializar para as pequenas ações do dia-a-dia e para realçar a obrigatoriedade de alteração de mindsets , é divulgado pelo movimento, por exemplo, que reduzir a geração de resíduos de alimentos em 50% em todo o mundo poderia retroceder a data em 11 dias e, por outro lado, reduzir o componente de carbono da Pegada Ecológica global em 50% retrocederia a data em 89 dias.

Go green or go home

Raquel Fernandes

 

Sobre Mim

Heyy! Sou a Raquel Fernandes, sou embaixadora da Forall Phones e estudo Economia.
Sou apaixonada por causas que nos ultrapassam enquanto pessoas e que nos afetam como sociedade e pela natureza e as suas maravilhas. Por isso mesmo, sou uma defensora nata do nosso Planeta porque o devemos salvaguardar!

Let’s Get Connected:- Linkedin | Facebook | Instagram 

 

Previous article Como apagar informações do iPhone, iPad ou iPod touch
Next article PARTE II – 7 passos para criar um projeto com impacto social

Leave a comment

* Required fields